Bomba d'Água em Motor DKW

Antonio Stricagnolo

 

Um belo dia lançaram o Porsche 911 refrigerado a água, algo impensável para admiradores da marca. Água, por quê?

O controle de temperatura de um motor é o que garante durabilidade, alto desempenho com consumo baixo e perfeito controle de emissões. Sistemas a ar ou termo sifão não atendem as necessidades atuais e, a bem da verdade, nem dos antigos...

Por que o DKW precisa seguir essa modernidade?

Se for um carro para enfeitar garagem, o melhor é deixar original, mas para quem roda com o carro, o principal motivo da aplicação da bomba é a durabilidade. Fazer um bom motor de DKW é quase impossível, mesmo pagando caro e todo mundo sabe a facilidade que é engripar um deles.

Alem da proteção aos pistões, quem agradece uma temperatura amena é a graxa dos rolamentos de mancais. O desempenho também melhora mantendo a temperatura ideal e constante. Motor frio não “queima bem” e carter de 2T muito aquecido faz o rendimento cair.

Existem muitas bombas e formas de instalação, as elétricas são de montagem fácil, as menores e mais leves nem necessitam suporte de fixação, ficam “penduradas” nas mangueiras.

O lado ruim das bombas elétricas é funcionar continuamente podendo baixar demais a temperatura do motor. O ideal é escolher uma bomba com unidade de controle de vazão em função de temperatura.

Optei pela bomba do motor AP porque é possível adaptar a carcaça da bomba no bloco do DKW e com isso utilizar a válvula termostática de 80 graus conjugada com o circuito "by pass", isso permite um bom controle da temperatura com a bomba virando na mesma rotação do motor. A válvula que é dupla modula o fluxo de água entre radiador e "by pass". Quando fria, a água não passa pelo radiador. Quanto mais quente, mais água é desviada para o radiador, diminuindo o fluxo pelo "by pass".

As bombas elétricas são mais caras, com grande facilidade de instalação. A bomba do AP é muito barata, porem a instalação é mais complicada, é necessário fazer alguns suportes e acrescentar mangueiras no circuito.

Nada disso vai ajudar sem uma boa limpeza do bloco e do radiador. Os blocos de DKW acumulam muito barro, em parte pela falta de circulação de água. Esse barro e ferrugem acumulados nas paredes do bloco fazem o papel de isolante térmico. Alem dessa limpeza o uso de aditivo é primordial, preferencialmente o original VW.

Limpeza do sistema de refrigeração
Ao instalar a bomba no motor vai ser preciso trocar a água quantas vezes for necessário até parar de sair barro, a circulação da água tem o efeito “vassoura” e vai revolvendo tudo que estiver sedimentado. Se for um motor novo, com radiador previamente bem limpo, no máximo será preciso 2 trocas de água, depois é só colocar o aditivo entre 40 a 50%. Pode parecer muito, mas ajuda na conservação do motor que fica muito inativo, desde que o aditivo seja original. Existem na praça aditivos que são pura água com corante, na duvida é melhor comprar original de alguma montadora. Eu vou sempre de VW/Audi.
 

A limpeza interna do bloco é um grande problema. Os banhos que as retificas usam não removem ferrugem e barro com eficiência. Há muitos "séculos" atrás quem tinha um sistema de limpeza eficiente era o departamento de remanufatura dos motores Perkins. Hoje em dia as fabricas não fazem mais esse retrabalho.

 

Por ultimo é importante para limpar o bloco, remover os selos laterais, para ter mais um acesso para a escova de aço do tipo “rabo de gato”. Isso evita aquela surpresa desagradável de montar o motor com tudo limpo e novo e o selo começar vazar, pois muitas vezes quem esta vedando o selo que já esta corroído é o barro e a ferrugem.

Tirando o fator originalidade, não existe razão para não instalar uma bomba d’água no DKW.

Nem as motocicletas que passaram para refrigeração a água dispensaram a bomba de circulação em conjunto com a válvula termostática, o mesmo ocorrendo com os últimos motores DKW produzidos fora do Brasil.

 

                                                                                         pagina anterior